INFÂMIA - O peso da opinião pública


Shirley MacLaine e Audrey Hepburn em Infâmia

Em “Infâmia” (1961), de William Wyler, duas professoras de uma escola só para meninas têm suas vidas viradas pelo avesso quando uma das alunas denuncia um suposto romance entre elas e os pais afastam suas filhas do colégio. O julgamento de uma criança evidencia o preconceito dos moradores da pequena cidade americana na adaptação da peça de Lilian Hellmann, numa observação do martelo da opinião pública num tribunal social em que as verdadeiras vítimas são as professoras.


Duas estrelas dos anos 60 protagonizam esse drama ousado para os padrões hollywoodianos. Shirley MacLaine e Audrey Hepburn enfrentam o olhar vil da menina interpretada por Karen Balkin. “Infâmia” revela o quanto uma versão pode destruir vidas. E leva a refletir sobre o peso que tem a opinião pública.


William Wyler cortou várias cenas insinuando a homossexualidade de Martha (MacLaine). Ele temia não receber o selo de aprovação do Código de Produção Cinematográfica. Na época, qualquer história sobre homossexualidade era proibida. Shirley MacLaine, no documentário “O Outro Lado de Hollywood” (1995), comentou a questão implícita da paixão de Martha por Karen no filme. O elenco não estava ciente de até que ponto a trama poderia ir. Na realidade, nem ela, nem Audrey tiveram acesso, no período de ensaios, ao verdadeiro centro da relação das personagens, a seu significado ou a quais opções poderiam ser desenvolvidas em cena. As duas atrizes nem chegaram a conversar sobre essa relação.


A versão de 1961 foi a segunda investida de William Wyler para levar o tema lesbianismo ao cinema. Em 1936, ele dirigiu a primeira versão de “Infâmia”, com roteiro da própria Lilian Hellmann. Mais uma vez alvo da censura.


12/4 – sexta-feira – 18h

Infâmia (The children’s hour), de William Wyler (EUA, 1961). Com Audrey Hepburn, Shirley MacLaine, James Garner.

Drama/Romance. Sinopse: As amigas Martha e Karen administram juntas um internato. No lugar, ao ser repreendida por uma mentira, uma estudante problemática tenta virar o jogo ao dizer para a avó que as duas têm um romance secreto. Quando o boato se espalha, a vida das educadoras se transforma para sempre. 108 minutos. 14 anos.

Alusões Homoeróticas do Cinema Clássico

Cinemateca do MAM

De 8 a 14 de abril

Ingressos gratuitos

Cinemateca do MAM

Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 - Praia do Flamengo, Rio de Janeiro - RJ, 20021-140

Telefone: (21) 3883-5630



Posts Recentes