Por Francisco Russo

Sentimentos

 

A história se repete há 20 anos, desde o lançamento de "Toy story": mais do que simplesmente buscar a excelência na animação, a Pixar vai atrás de criatividade. Analisar um contexto a partir de um ponto de vista inusitado é quase uma especialidade do estúdio, vide "Procurando Nemo" (a vida no aquário), "Monstros S.A." (uma criança assustando monstros) ou "Wall-e" (uma paixão quase sem falas entre dois robôs). Em "Divertida mente", a Pixar mais uma vez investe fundo: mais exatamente, dentro da sua cabeça.

 

A jornada pela mente da jovem Riley oferece um dos aspectos mais fascinantes desta nova animação: o modo como conceitos abstratos ganham forma e cores, compondo uma alegoria emocional compreensível tanto para crianças quanto para adultos. "Divertida mente" é na verdade um grande passeio pela psicologia, tratando de temas complexos como inconsciente e depressão - sim, depressão! - sem jamais perder o bom humor ou apelar para o didatismo. Mais ainda: o roteiro do trio Pete Docter, Meg LaFauve e Josh Cooley entrega uma importante mensagem sobre como lidar com a tristeza em sua própria vida, o que ainda por cima é uma crítica implícita a toda a indústria de antidepressivos e remédios que buscam "controlar" o seu humor.

 

Para tanto, o diretor Pete Docter conta com cinco cativantes personagens centrais: Alegria, Tristeza, Raiva, Nojinho e Medo. Juntos, eles são responsáveis pelo estado emocional de Riley e a controlam através de um painel que, muito habilmente, evolui com o passar dos anos. A saída acidental de Alegria e Tristeza deste núcleo controlado é a deixa para um passeio pela mente humana, com simbolismos cheios de significados e brincadeiras inteligentes. Este é outro trunfo do filme: por mais que tenha um olhar infantil, com muitos personagens coloridos, o foco maior aqui é no adulto (ou na criança crescida, se você preferir). O melhor exemplo é a jornada através do pensamento abstrato, com tiradas deliciosas envolvendo a técnica 3D e a própria arte.

 

Outro aspecto a destacar é o conjunto de dubladores, sem nenhum grande astro escalado. Se Amy Poehler brilha com a voz empolgada de sua Alegria, o destaque maior fica por conta de Phyllis Smith, que dosa de forma precisa as lamúrias e o modo de ser de Tristeza. Lewis Black é outro que merece aplausos pelo seu Raiva.

 

Repleto de piadas inteligentes e perspicazes, "Divertida mente" é um filme extremamente ousado, que vai além do mero entretenimento para também encantar, pelo tanto que oferece em relação à criatividade, à nostalgia, às emoções e à própria vida. Trata-se de um dos melhores filmes feitos pela Pixar, capaz tanto de provocar gargalhadas gostosas quanto arrancar lágrimas sinceras. Afinal de contas, a vida é assim: alegria e tristeza, convivendo lado a lado e buscando, à maneira de cada pessoa, uma convivência em harmonia.

Inside Out – EUA, 2015 - Direção: Pete Docter, Ronaldo Del Carmen – Roteiro: Josh Cooley, Meg LeFauve, Pete Docter – Produção: Jonas Rivera – Montagem: Kevin Nolting – Elenco: No original, as vozes de Amy Poehler, Bill Hader, Diane Lane, Kyle MacLachlan, Lewis Black – Duração: 105 minutos.

© 1982 - 2021 Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro