Melhor Filme: Entre os Muros da Escola (Entre les murs), de Laurent Cantet (França)

Por Myrna Silveira Brandão

O diretor francês Laurent Cantet, já no seu primeiro longa - Recursos Humanos, um estudo da política de pessoal na França -  delineou o viés que daria à sua carreira, marcada por obras inspiradas em histórias reais e que procuram traçar um retrato social da sociedade contemporânea. 

Entre os Muros da Escola segue a mesma linha, desta vez tendo como pano de fundo uma turma de alunos numa escola francesa. Baseado no livro homônimo de François Bégaudeau, Cantet faz lúcidas reflexões sobre o sistema educativo e o valor da democracia. 

Numa mescla entre realidade e ficção, o filme expõe situações de conflito num colégio situado em um bairro de Paris, onde a população é predominantemente de imigrantes. Como anunciado no título, Cantet se limita ao perímetro marcado pelos muros do instituto, onde o professor François (Bégaudeau) tenta conviver com alunos marcados pelos valores de sua condição social.

Embora o condutor do roteiro seja a realidade, Cantet tem o cuidado de não fazer julgamentos de valor sobre as pessoas retratadas na trama. Como ele tem dito em entrevistas, os problemas e a busca de soluções são permanentes. Assim, a intenção é que as reflexões dos espectadores provocadas pelo filme possam contribuir para o debate e a melhoria nas relações entre os seres humanos.

© 1982 - 2021 Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro