Melancolia (Melancholia), de Lars von Trier (Alemanha/Dinamarca/França/Suécia)

Por Myrna Silveira Brandão

"Melancolia", do diretor dinamarquês Lars von Trier, precisa ser visto dissociado de algumas coisas que aconteceram no seu entorno.

Em sua passagem pelo Festival de Cannes, onde o filme concorreu à Palma, uma declaração de Trier sobre o nazismo repercutiu fortemente nos meios de comunicação e - embora tenha esclarecido que foi mal interpretado, já que sua frase foi tirada de um contexto e deturpada - ele foi considerado persona non grata no festival francês. Isso respingou em "Melancolia", e a situação só melhorou quando Kirsten Dunst, que é a estrela do filme, ganhou a Palma de melhor atriz.

Nada disso, no entanto, tira o mérito de "Melancolia", que é mais um ótimo filme de Trier e, embora muitos tenham dito o contrário, guarda bastante semelhança com outros trabalhos seus, como "Ondas do destino" (1996), "Dançando no escuro" (2000),  "Dogville" (2003) e "Manderlay" (2005). Embora não haja um mesmo eixo a nortear as histórias, há um ponto em comum: a análise do ser humano em sociedade e sua fragilidade.

O filme é contado em dois atos, cada um deles dedicado às irmãs protagonistas. O primeiro é centrado na luxuosa recepção do casamento de Justine (Dunst), que contrasta com seu visível estado depressivo.

Paralelamente, o planeta Melancolia se aproxima perigosamente da terra e a colisão pode ser o fim do mundo.

No segundo ato - que gira em torno de Claire (Charlotte Gainsbourg) - há uma nítida mudança no comportamento das irmãs. Enquanto Claire se desespera, a angustiada Justine aceita o que parece ser irreversível.

O drama das irmãs é pano de fundo para expressar o sentido de um estado mental  que, com o desenrolar da trama, se torna coletivo.

Os desempenhos são ótimos, tanto de Dunst, como de Gainsbourg, bem como de Charlotte Rampling, que vive com louvor o papel da amarga mãe das jovens.

Trier declarou que fazer o filme lhe deu muito prazer, mas considera a possibilidade de que parte do público possa rejeitá-lo, já que foi realizado imediatamente depois de ele ter passado por um período de profunda depressão.

"Não é um filme sobre o fim do mundo, é sobre um estado de espírito. Passei por momentos de melancolia, que é um estado que perpassa toda a grande arte. Foi uma fase de minha vida em que estava me sentindo realmente assim. E a gente sabe que a inspiração vem de nossas emoções e de nossos receios, é assim que as coisas acontecem", reconhece Trier, cuja obra tem se situado no limiar do amor e do ódio, mas jamais na indiferença. "Melancolia" não é exceção.

Melancholia - Alemanha/ Dinamarca/ França/ Suécia, 2011 - Direção: Lars von Trier - Roteiro: Lars von Trier - Produção: Meta Louise Foldager, Louise Vesth - Fotografia: Manuel Alberto Claro - Montagem: Morten Hojbjerg, Molly M. Stensgaard - Elenco: Kirsten Dunst, Charlotte Gainsbourg, Kiefer Sutherland, Charlotte Rampling, John Hurt, Alexander Skarsgård, Brady Corbet, Stellan Skarsgård - Duração: 136 minutos

© 1982 - 2021 Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro