Não Estou Lá (Im Not There), de Todd Haynes (EUA)

Por Myrna Silveira Brandão

Não estou lá, de Todd Haynes, é um filme que poderia ser chamado de um pseudo-documentário sobre um ícone da música folk, o cantor americano Bob Dylan. Assim como Dylan é um cantor não convencional, Haynes também não é um diretor afeito às convenções formais de retratar um biografado. 

Em Não estou lá, a criatividade de Haynes já começa pela escolha do elenco para o seu retratado.  Não uma, mas seis "personas" interpretam fases e aspectos diferentes da vida e personalidade de Dylan.

Heath Ledger é o ator Robbie; Richard Gere interpreta o pistoleiro Billy the Kid ; Christian Bale é o pastor John ; o estreante Marcus Carl Franklin é Woody Guthrie, um garoto negro e excepcional violonista ; o novato Ben Whishaw interpreta Arthur, um jovem renegado, que representa Dylan, sob a influência do poeta simbolista francês Arthur Rimbaud ; e Cate Blanchett é o astro do rock Jude, vivendo Dylan numa fase de mudanças de sua vida quando teve problemas com mídia e público ao aderir ao rock amplificado. Na ocasião, ele também ficou muito estranho na forma como se comportava no palco, nas roupas, na gestualidade um tanto feminina e na maneira como usava as mãos. Daí o acerto de uma mulher para viver Jude, papel que rendeu a Blanchett o prêmio de melhor atriz em Veneza, onde o filme também ganhou o Prêmio do Júri. 

Ao escapar das biografias tradicionais, normalmente limitadas em relação aos retratados - principalmente tratando-se de um artista em constante metamorfose como é o caso de Dylan - Haynes consegue passar toda a complexidade, contrastes e contradições do mítico cantor.

© 1982 - 2021 Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro