O som do silêncio

Por Ana Rodrigues

O silêncio em todos os sentidos

Com as baquetas nas pontas dos dedos, todos os sentidos estão ativados em Ruben (Riz Ahmed). No palco, com sua parceira de punk metal e de vida, a vocalista Lou (Olivia Cooke), ele é intenso na bateria, em conexão sensorial com a música ácida. A guitarra de Lou chora e as batidas de Ruben pontuam. Amanhece e, no trailer da dupla, os sons matinais do cotidiano são o repouso. Ele prepara um café da manhã. O baterista coloca um vinil do blues de Bessie Smith. A simplicidade desses sons ganha protagonismo. Mas é o silêncio que vai acompanhar o músico.

 

Em “O som do silêncio”, de Darius Marder, as oscilações entre a luta e a rendição do jovem que está perdendo a audição capturam o conceito inicial de perda e limitação para a possibilidade de aprendizado e transformação. Íntimo e tocando no ponto exato do sofrimento do personagem, de modo autêntico e sem apelos, o roteiro de Darius e Abraham Marder é uma criação a partir do documentário inacabado “Metalhead”, sobre um baterista que fica surdo, de Derek Cianfrance, parceiro de Darius desde “O lugar onde tudo termina”. A realização resulta numa narrativa de imersão filosófica sobre o ter e o ser, casada com a excelência técnica a serviço do artístico.

 

O designer de som Nicolas Becker realiza um trabalho primoroso para extrair o silêncio de Ruben em contraposição com o ambiente, numa provocação aos nossos sentidos. Essa percepção é fundamental para entender a saga do baterista. Ruben quer tentar um recurso médico-tecnológico para vencer a surdez, mas o tratamento é muito caro. Essa exclusão financeira, crítica à política de saúde americana, o leva a um lugar alternativo. Ele encontra, numa comunidade de pessoas com deficiência auditiva, uma forma de aprender a viver de um modo novo. Através de Joe (Paul Raci), o mentor dessa comunidade, Ruben é provocado para a consciência de que a surdez não é uma incapacidade. É preciso aprender novas possibilidades e expandir os sentidos.

 

A atuação intensa e sem exageros de Riz Ahmed é fundamental e extraordinária na condução do filme. Com sutileza, ele nos atrai para a imersão em todo o sofrimento do personagem, mas também na esperança de retomar a vida. Ruben terá de entender que aquele tempo de turnês na estrada passou.

 

“O som do silêncio” é uma epifania. Trata da compreensão de quem você pode ser a partir de sonhos, limites, adaptações e transformações. Na percepção da beleza do silêncio, Ruben e a audiência expandem o próprio sentido do mundo ao redor.

O som do silêncio (Sound of metal), de Darius Marder (USA/2019). Com Riz Ahmed, Olivia Cooke, Paul Raci.

 

Drama. Sinopse: A vida de um jovem baterista muda totalmente quando ele percebe que está perdendo a audição. As suas duas grande paixões estão em jogo: a música e a sua namorada, integrante da mesma banda de heavy metal que ele faz parte. 120 minutos. 16 anos.

capa.jpg