O CÉU PODE ESPERAR - Humor crítico e celestial



No fim da década revolucionária da autoral Nova Hollywood, Warren Beatty, um dos maiores nomes do movimento, estrelava em 1978 uma clássica comédia americana, adaptação da peça de Harry Segall e já filmada em 1941 com o título “Que espere o Céu”. Em “O Céu pode esperar”, dirigido por Beatty e Buck Henry, o jogador de futebol americano Joe Pendleton (Beatty) morre num acidente. Ao chegar ao Céu, descobre que ainda não era sua hora. Para corrigir o erro do departamento celestial, ele é mandado de volta para a Terra, mas seu corpo foi cremado. Provisoriamente, ele é colocado no corpo de um megaempresário, assassinado pela mulher e pelo amante. Joe impõe seu comportamento de cara legal em contraponto ao empresário maquiavélico.


O roteiro de Elaine May e Beatty trabalha questões éticas, como a oportunidade de corrigir erros. O discurso otimista, comum no cinema da era de ouro, ganha um viés adequado ao comportamento autoral da Nova Hollywood, ao destacar questões ambientais e a ganância do mundo corporativo. O ativismo da personagem de Julie Christie representa esse núcleo. No entanto, ela vira interesse romântico do milionário de alma renovada, emulando o velho cinema.


O elemento jazzístico na trilha sonora de Dave Grusin contribui para a atmosfera equilibrista de Joe entre os mundos dos vivos e dos mortos. Ele toca um saxofone soprano e esse elemento é sua identidade. É o objeto que o acompanha no Céu, e muito mais que isso, está em momentos-chave do filme.


Indicado a nove Oscars, incluindo melhor filme, direção, roteiro e melhor ator para Beatty, o longa ficou com a estatueta de melhor direção de arte e mostrou que nova e velha Hollywood ocupavam o mesmo espaço.

Warren Beatty – Uma Rajada de Charme

De 25 a 31 de março na Cinemateca do MAM


27/3- quarta-feira - 18h O Céu pode esperar (Heaven can wait), de Warren Beatty, Buck Henry (EUA, 1978). Com Warren Beatty, James Mason, Julie Christie.

Comédia/Fantasia/Romance. Sinopse: Joe Pendleton, jogador do time de futebol americano Los Angeles Rams, morre num acidente de carro. Na vida após a morte, Joe descobre que seu anjo guardião o tirou de seu corpo prematuramente, e ele ainda tem mais anos para viver na Terra. Incapaz de retornar para seu corpo, Joe assume a forma de um ganancioso multimilionário, Leo Farnsworth. Como Farnsworth, Joe tenta retornar para o futebol e se apaixona pela ativista ambiental Betty Logan. Nove indicações ao Oscar, incluindo melhor filme e ator (Warren Beatty). O filme levou o prêmio por direção de arte. 101 min. 14 anos.


Posts Recentes

© 1982 - 2021 Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro