DICK TRACY - Entre o amor e o crime, um detetive à moda antiga


Após algumas encarnações na TV e no cinema, a tirinha criada por Chester Gould para o jornal Chicago Tribune, em 1931, atinge o seu formato ideal para as telas no filme “Dick Tracy”. Fã do personagem, Warren Beatty só concordou em dirigir a produção se também a estrelasse.


Devido ao seu status, Beatty teve liberdade para escolher a equipe técnica: é exatamente a estética que salta aos olhos em uma das mais perfeitas transposições visuais de uma história em quadrinhos para o cinema. O fotógrafo Vittorio Storaro, auxiliado pelo desenho de produção e pela cenografia, consegue capturar tiras em movimento em planos que variam de quadros pintados a uma miniatura da cidade. Há uma força inegável em cada sequência por meio da composição entre luz, cor e angulação.


“Dick Tracy” começa com a descrição do universo do personagem em um close que reúne arma, distintivo e o relógio, com o rádio a noticiar crimes. A câmera passa para o lado de fora e em um plano de conjunto apresenta o detetive e seu figurino clássico para, em seguida, focar a cidade. Nesses breves momentos, Beatty vai do particular para o geral e constrói de maneira simples a mítica do herói.


Além das tirinhas, uma referência do filme são os longas de gângsteres dos anos 30, em especial os estrelados por James Cagney e Edward G. Robinson. A sequência do tiroteio, em meio a um jogo de pôquer, presta homenagem aos vilões dos quadrinhos e reverencia o cinema de gângster. E a outra é o filme noir dos anos 40 e 50, com tramas de traição, desejo de poder e louras fatais, como Madonna e sua Breathless.


O longa é o maior êxito de bilheteria de Beatty – arrecadou na época US$ 47 milhões– e conquistou três Oscars. Apesar disso, mais uma vez, ele optou por um hiato longo para dirigir um novo filme.

31/3 – Domingo – 16h Dick Tracy, de Warren Beatty (EUA, 1990). Com Warren Beatty, Madonna, Al Pacino.

Ação/Comédia. Sinopse: Tess Trueheart quer apenas ter uma vida tranquila com seu namorado, Dick Tracy, um detetive da polícia. Porém, existe alguém que pode atrapalhar os sonhos do casal. Este alguém é Big Boy Caprice, um gângster que decidiu fazer uma guerra pelo domínio da cidade e comandar todos os bandidos. Para complicar ainda mais a situação, Dick Tracy também precisa resistir aos avanços da bela Breathless Mahoney, uma sedutora cantora de boate. Com sete indicações ao Oscar, levou por melhor direção de arte, maquiagem e canção (Stephen Sondheim). Al Pacino foi indicado por melhor ator coadjuvante, e Vittorio Storaro por melhor fotografia. 105 min. 14 anos.

Warren Beatty: Uma Rajada de Charme De 25 a 31 de março Ingressos gratuitos Cinemateca do MAM Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 - Praia do Flamengo, Rio de Janeiro - RJ, 20021-140 Telefone: (21) 3883-5630



Posts Recentes

© 1982 - 2021 Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro